29 de mai de 2017

Memorial da Esperança


Janilson Sales de Carvalho
                A palavra "Esperança" tem muito significado na minha vida. Escrevo com letra maiúscula porque foi assim que ela apareceu na minha história. Meu pai nasceu em Nova Esperança, um distrito do município de Várzea no Rio G. Norte. Esse lugar agradável ainda concentra muitos familiares. Minha mãe também nasceu em Várzea, mas na sede do município.
                Logo após o casamento decidiram morar em Natal. Ali, durante vários anos peregrinaram por diversos bairros em casas alugadas. Nesse período nasceram os cinco filhos. A vida difícil impedia a compra de um imóvel. Foi na década de sessenta que a palavra “Esperança” se concretizou outra vez no destino da família no momento em que meu pai foi selecionado para receber uma casa na Cidade da Esperança, bairro popular idealizado pelo governador Aluízio Alves.  Naquele momento encontramos um porto seguro.
                Se meu pai foi o navegador que levou a família de uma Esperança a outra, minha mãe foi a pessoa que a incutiu em nossas vidas pelos caminhos da fé. Ele era um homem ocupado com o sustento e não se envolvia com temas religiosos. Era um grande leitor e nos repassava com convicção suas opiniões sobre os fatos do mundo. Acredito que era um dos homens mais bem informados do bairro. Ela participava da vida religiosa e conduzia a filharada nesse percurso. E a “Esperança” ganhou novo significado nas palavras do padre Tarcísio e na imagem de Nossa Senhora da Esperança, padroeira do bairro.
                Lembro-me de uma frase que ouvi de um colega: “domingo era dia de praia, missa e festa no Clube Intermunicipal.” Concordei com ele. Muitos jovens do bairro faziam esse roteiro. Como se vê, a igreja constava como elemento importante na rotina. Temos em janeiro a festa da padroeira, um evento importante que reúne os católicos.
      Há alguns anos, o filósofo Edgar Morin realizou uma palestra para milhares de pessoas no anfiteatro da UFRN e repetiu a palavra “esperança” diversas vezes. Cada vez que ele citava, eu refletia sobre o seu significado na minha vida. Como ela era preciosa para mim, pois representava meu lar e a fé na realização dos sonhos. Para onde eu iria sem ela? Nesse momento veio à mente a grande emoção provocada pela procissão anual com a  imagem da padroeira do bairro. Silenciosamente, a santa une pessoas, famílias e multidões num grande rio de esperanças. A “esperança” existe outra vez como um porto seguro, agora na imagem da mãe de Jesus.


                No feriado da Semana Santa de 2017, tive o prazer de passear em Monte Alegre/RN com minha mãe Lourdes, a grande amiga Nazaré  e a querida prima Socorro. Esse município entrou na minha vida no momento em que conheci minha esposa. É um belo lugar próximo a Natal. Lá também existe um bairro chamado Esperança. Antigamente era identificado como Rua da Palha devido às moradias pobres que ali existiam.  Hoje é um belo lugar com centenas de casas de alvenaria. Acredito que em cada lar existe uma história parecida com a minha. Nesse passeio, chegamos ao bairro. Minha mãe e as amigas ficaram encantadas com a nova igreja construída. A esperança transformou a palha em alvenaria, cimentando o amor entre as pessoas. E Nossa Senhora da Esperança está lá, no alto da igreja, fazendo com que todos mirem o tempo, amem a vida e caminhem com “Esperança”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário